Teologia · Traduções

Os 5 pontos que me levaram para longe do Calvinismo

Questionaram-me sobre minha posição soteriológica há algumas semanas. Respondi que por anos fui monergista, adepto do calvinismo, mas hoje sou sinergista. Quando me perguntaram o porquê de minha mudança, respondi por alto meus motivos (falei sobre as deficiências do calvinismo fora da estrutura TULIP), mas prometi que escreveria um artigo sobre o tema com maior profundidade.

Curiosamente, nesta semana conheci o site Soteriology 101, do pastor e professor Leighton Flowers. Dentre muitos de seus artigos, ele escreveu um cujo conteúdo identifiquei-me bastante e, praticamente subscrevi-me em seu testemunho. A maior parte dos motivos que me fizeram abandonar o monergismo encontram-se neste artigo.
Com a devida autorização do autor, escrevo abaixo a tradução do artigo  The Five Points that Led me Out from Calvinism.

Os 5 pontos que me levaram para longe do Calvinismo

Por Leighton Flowers
Tradução: Erlan Tostes
Texto Original

Recentemente várias pessoas têm me perguntado quais os pontos específicos que me levaram para longe do Calvinismo. Ser um professor de Teologia que uma vez concordou com o TULIP me dá uma perspectiva única sobre o assunto. No entanto, eu não tenho a pretensão de ser um especialista no campo, nem eu invejo aqueles que não concordam com a minha perspectiva. Eu simplesmente o desejo de interpretar corretamente a Palavra de Deus. Esperemos que este artigo possa ajudá-lo a entender por que eu não poderia continuar a apoiar a interpretação calvinista das Escrituras.

Por que as pessoas estão tão interessadas no que me fez descrer do Calvinismo? Eu acredito que é porque há muitas pessoas que estão querendo convencer alguém querido a abandonar suas crenças calvinistas. Eu odeio dizer-lhes isso, mas dificilmente um artigo vai realizar esta façanha. É muito difícil convencer-se de deixar uma perspectiva teológica de longa data e quase impossível convencer o outro. Para mim, foi uma viagem meticulosa de três anos depois de eu ter envolvido em um estudo aprofundado do assunto. Eu não tinha vontade de deixar o Calvinismo e eu lutei com unhas e dentes para defender as minhas amadas “Doutrinas da Graça” contra as verdades que meus estudos me levaram a ver. Não houve argumento único, artigo ou discussão que tenha me levado a retratar minha adesão ao TULIP sistemático.

Na verdade, estou certo de que eu nunca poderia ter sido “convencido” em um debate contra o calvinismo. Eu era muito competitivo para avaliar objetivamente a minha sistemática no calor de uma discussão contenciosa. Mesmo se eu fosse contra um argumento que eu não poderia responder, eu nunca teria admitido a meu oponente. Poucas pessoas seriam capazes de contornar a intensa emoção, o orgulho e a indução de adrenalina provocados no debate teológico. Nosso desejo inato de sermos estimados pelos outros e vistos como “mais inteligentes” do que realmente somos, muitas vezes supera qualquer potencial de aprendizado e diálogo profícuo.

Se alguém discordasse de mim, a minha presunção era a de que eles não deveriam realmente ter entendido minha perspectiva. Desta forma, ao invés de tentar ouvir e avaliar objetivamente os seus argumentos, me concentrei em reafirmar meu caso com mais clareza, com confiança e dogmaticamente. Se eu não entendesse completamente o que eles estivessem dizendo, eu costumava rotular e descartá-los ao invés de tomar tempo para avaliar plenamente o seu ponto de vista. Não estou tentando sugerir que todos os calvinistas cometem estes erros – Eu estou apenas refletindo sobre os meus erros, que agora consigo enxergar.

Eu competi no nível estadual na CX Debate, no ensino médio e na faculdade. O nosso treinador de debate imbuiu em nós a habilidade de assumir tanto o lado afirmativo, quanto o negativo de cada assunto. E acredite em mim, isto é uma habilidade aprendida. É muito difícil de colocar um ponto de vista em defesa de um outro oposto, especialmente se você estiver emocionalmente e intelectualmente ligado a uma determinada perspectiva. É raro encontrar objetividade real em uma discussão entre os indivíduos ocupados teologicamente sobre uma doutrina como emocionalmente carregado e intimamente pessoal como a de nossa salvação. Isto é especialmente verdadeiro para aqueles que fizeram a vida e desenvolveram a sua identidade em torno de um determinado conjunto de crenças. Imaginem R.C. Sproul, por exemplo, chegando a acreditar que ele estava enganado sobre esses pontos de doutrina. Pense o quanto isso custaria a ele e sua reputação como um estudioso a se retratar esses pontos de vista. Isso nunca é uma transição fácil ou indolor para qualquer pessoa em qualquer nível de notoriedade.

Digo tudo isso para dizer qualquer leitores calvinistas que podem ter clicado no link a fim de refutarem minhas afirmações: Eu não sou tão ingênuo para pensar que este artigo está indo para convencê-lo a deixar o Calvinismo, então este não foi o meu objetivo ao escrevê-lo. Meu objetivo no entanto, é que você simplesmente entenda as razões pelas quais eu deixei Calvinismo… A palavra-chave é realmente essa: ENTENDER.
Provavelmente isto não vai acontecer se você começar a ler portando um machado para atacar-me ou buscar defender os seus pontos.
Podemos deixar as armas de lado e, em primeiro lugar, procurar ouvir e totalmente entender um ao outro antes de iniciar o debate? Se você terminar este artigo e sair daqui ainda como o mesmo calvinista que você for agora, contudo conseguir compreender a razão pela qual eu tive que abandonar o Calvinismo, então eu vou considerar isso um grande sucesso.

Adotei todos os cinco pontos da TULIP calvinista quando eu era calouro na faculdade depois de devorar os livros de John MacArthur, RC Sproul, J.I. Packer e mais tarde John Piper. Louie Giglio, o homem que trouxe John Piper para o mainstream através de eventos como o Passion, foi um dos amigos mais próximos do meu pai. Minha primeira posição ministerial foi na GRACE (Universidade Hardin-Simmons) ordenado após o ministério de Louie na Universidade de Baylor, nos anos 80. Lá foi onde eu trabalhei ao lado de Matt Chandler, sendo discipulado pelo mesmo mentor. Eu cresci muito convencido do meu calvinismo durante a próxima década de vida, chegando a ajudar a iniciar uma nova Igreja Batista”Reformada” que se separou da minha igreja natal.

Mais tarde eu servi no ministério da nova Igreja Reformada e, em seguida, começou a trabalhar para a Convenção Batista Estadual do Texas. Nós contratamos John Piper, juntamente com vários outros comunicadores calvinistas notáveis ​​para falar em muitos dos eventos que dirigi. Eu adorava estar muito além desta “fraternidade” de ministros que orgulhosamente afirmava a doutrina de Spurgeon e os antepassados ​​da nossa fé Batista do Sul. Eu era um membro de carteirinha de “Os Fundadores” da SBC e nunca teria sonhado que um dia eu escreveria este artigo.

Certa manhã, eu estava lendo um livro de A.W. Tozer, um homem que eu conhecia que era respeitado na comunidade calvinista. John Piper frequentemente o citava e as pessoas referenciavam seus trabalhos regularmente em meus círculos reformados. Algumas das coisas que ele escreveu simples não se encaixavam no meu paradigma. Como eu li, eu me lembro de pensar para mim mesmo: “O Tozer não é um calvinista?” Lembro-me como me senti quando soube que A.W. Tozer e C.S. Lewis, dois homens que eu respeitava bastante, não afirmavam o TULIP. Naquele momento, lembrei-me do que o meu treinamento de debate me ensinou e eu percebi que eu nunca havia real objetiva e cuidadosamente examinado os pontos de vista acadêmicos que se opõem ao Calvinismo. Ali começou a minha jornada.

Depois de seis meses a um ano estudando esporadicamente as doutrinas, eu não estava nem um pouco convencido de que o Calvinismo estava errado. Mesmo depois de ser presenteado com vários argumentos convincentes contra minha longa lista de crenças, eu subconscientemente senti que tinha muito, muito perder ao deixar o Calvinismo. Minha reputação, meus amigos, minhas conexões ministeriais, tudo iria se perder se eu reconsiderasse a minha opinião!
Eu tinha convertido muitas pessoas e ferido muitos relacionamentos em defesa dessas visões para agora me retratar de algo que eu estive tão certo de ser verdade por tantos anos. No entanto, os meus anos de formação em debate me ajudaram a reconhecer esse viés e continuar com meus estudos. Como eu estava treinado, eu me forcei a derrubar minhas idéias preconcebidas, os preconceitos, e qualquer coisa que pudesse me impedir de compreender plenamente a outra perspectiva. Eu queria saber o que segundo Deus, os homens inteligentes como Tozer e Lewis enxergaram nas Escrituras que os levou a suas conclusões. Eu queria examinar totalmente suas perspectivas sobre soteriologia.

Nesse processo, houve cinco verdades fundamentais que vieram à luz, que, eventualmente, levaram-me para fora da minha visão Calvinista. Abaixo está um breve resumo desses pontos de vista:

Ponto # 1: Eu percebi que a corrente acerca da “fé prevista” (Arminianismo Wesleyano clássico) não era a única alternativa acadêmica para a interpretação calvinista.
Eu tinha me saturado tanto com pregadores e autores calvinistas que a única coisa que eu sabia das visões opostas foi o que me disseram. Assim, eu tinha sido levado a acreditar que a única alternativa real para o calvinismo era esse estranho conceito de Deus “olhando através dos corredores do tempo para eleger aqueles que Ele prevê que iriam escolhê-lo.” Professores calvinistas notáveis ​​quase sempre pintaram todos os estudiosos não-calvinistas como apoiadores desta perspectiva. Depois que eu percebi que eu tinha sido induzido ao erro quanto a este ponto, eu estava mais aberto a considerar outras interpretações objetivamente.

Eu encontrei uma corrente sistemática muito mais robusta teologicamente chamada de “Perspectiva Corporativa da Eleição”, que, por sinal, passou a ser a visão mais popular entre os estudiosos bíblicos da minha própria denominação (Batistas do Sul). Muito mais pode ser dito sobre este ponto de vista, mas eu não vou tomar a liberdade de expor sobre neste artigo. No entanto, devo advertir leitores que a muito frase-reposta “as nações são compostas de indivíduos também,” nem sequer começa a refutar as afirmações desta perspectiva. Os indivíduos estão tão envolvidos na perspectiva corporativa como eles estão na perspectiva calvinista (talvez até mais). Quem acredita que a visão corporativa é facilmente descartada com que simples linha ainda não chegou a entendê-la corretamente. Na minha experiência, muito poucos calvinistas dão a este perspectiva a atenção que ela merece, porque requer uma mudança de ponto de vista que, se reconhecido, poria em causa toda a sua premissa.

Você entende a “Perspectiva Corporativa da Eleição”?
Eu quero dizer… Você realmente a entendeu? Você poderia defendê-la em um debate se fosse necessário? Você poderia explicar objetivamente para uma sala de aula de alunos? Você está disposto a estudá-la e avaliar suas reivindicações?

“É um sinal de uma mente educada ser capaz de entreter um pensamento sem aceitá-lo.”
Aristóteles

Ponto # 2: Eu entendi a diferença entre a doutrina do pecado original (depravação) e o conceito calvinista de “total incapacidade”.
Calvinistas ensinam que “o homem natural é cego e surdo à mensagem do Evangelho”, [1] mas eu aprendi que é a condição de um homem endurecido judicialmente, não uma condição natural de nascimento (At 28: 27-28; Jo 12: 39-41; Mc 4: 11-12; Rm 11).
Em vez disso, a revelação graciosa de Deus e o poderoso apelo do Evangelho são os meios que Ele escolheu para atrair, ou permitir todo aquele que ouve a vir. Assim, quem ouvir ou ver a sua verdade poderá responder a essa verdade, é por isso que eles são responsáveis (hábeis para responderem).

Na época, enquanto Cristo estava na terra, os israelitas (em João 6, por exemplo), estavam sendo endurecidos ou ensurdecidos de ouvirem a verdade. Apenas um seleto grupo de poucos israelitas (um remanescente) foi entregue pelo Pai ao Filho a fim de que o propósito de Deus na eleição de Israel fosse cumprido. Esse objetivo não se referia ao plano de Deus para salvar individualmente e efetivamente alguns judeus, mas seu plano de levar a luz ou revelação para o resto do mundo por meio do Messias e sua mensagem para que todos pudessem acreditar (Jo 17: 21b) .

A videira de que os judeus estão sendo cortados em Romanos 11 não é a videira de salvação eficaz, caso contrário, como os indivíduos poderiam ser cortadas ou enxertados de volta para ele? A videira é a luz da revelação, o meio pelo qual alguém pode ser salvo e foi enviado primeiramente aos judeus e depois aos gentios (Rm. 1:16). Aos gentios está sendo concedido o arrependimento ou “foram enxertados na videira”, de forma a ter a possibilidade de se arrepender. Os judeus, por serem provocados a invejar e se deixarem sua incredulidade, poderão ser enxertados na mesma videira (Rm. 11:14, 23).

PONTO-CHAVE: Deus faz uso de meios determinantes para assegurar Seus propósitos soberanos na eleição de Israel, que inclui:

  1. a separação de determinados indivíduos israelitas para serem a linhagem do Messias, e
  2. a separação de determinados indivíduos israelitas para levar Sua mensagem divinamente inspirada para o mundo (através de meios bem convincentes como um grande peixe e luzes cegantes para persuadir suas vontades) e
  3. cegar temporariamente o resto de Israel para cumprir a redenção através de sua rebelião.

No entanto, não há nenhuma indicação na Escritura que:

  1. todos aqueles que acreditam nos ensinamentos do mensageiro foram igualmente separados por esses meios persuasivos (especialmente meios eficazes não interiores).
  2. todos aqueles que não acreditam nos ensinamentos do mensageiro foram igualmente endurecidos a partir do momento em que nasceram até a hora em que morreram.

Como um calvinista, eu não entendia o contexto histórico das Escrituras que se refere à eleição nacional de Israel seguida do seu endurecimento judicial. Quando as Escrituras falavam sobre Jesus esconder a verdade em parábolas ou somente revelando-se a um seleto grupo de poucos, ou cortar um grande número de pessoas de ver, ouvir e compreender a verdade; eu imediatamente presumi que aquelas eram passagens que apoiam o “T” da minha TULIP, quando na realidade eles estão apoiando a doutrina de endurecimento judicial de Israel.

“De Agostinho de Hipona até o século XX, a cristandade ocidental tendeu a interpretar a doutrina da eleição na perspectiva e em relação aos seres humanos individuais. Durante esses mesmos séculos, a doutrina tem sido menos enfatizada e raramente nunca houve controvérsia na Ortodoxia Oriental. É possível que Agostinho e mais tarde Calvino, com a ajuda de muitos outros, contribuíram para uma hiper-individualização desta doutrina, que a duras penas baseia-se em Romanos 9-11, Efésios 1, 1 Pedro 2? Não é verdade que a ênfase maior em ambos os testamentos cai sobre um povo eleito -? Israel (AT) e discípulos ou igreja (NT)?”
– James Leo Garrett

Ponto # 3: Eu percebi que a decisão de se humilhar-se e arrepender-se na fé não é meritório. Até mesmo os crentes arrependidos merecem castigo eterno.
Calvinistas são notórios para pedir ao crente desavisado “Porque você crê em Cristo e outra pessoa não o faz; Você é mais esperto, ou mais louvável de alguma forma?” Eu fiz esta pergunta mais vezes do que me lembro quando era um jovem calvinista. O que eu (e provavelmente o alvo da minha pergunta) não entendo é que a questão em si é uma falácia conhecida como “Muitas questões” (Ou, mais especificamente “plurium interrogationum“).

O plurium interrogationum é uma tática de debate onde o seu adversário presume ser verdade o próprio ponto inicial do debate. Por exemplo, se a questão em discussão era se você sonega ou não seus impostos e eu comecei a discussão, perguntando-lhe: “Você já parou de sonegar seus impostos?”, eu estaria pressupondo a veracidade já na pergunta.

Da mesma forma, no caso de o calvinista perguntando “Por que você fez essa escolha”, ele está presumindo que uma resposta determinística é necessária, dando início à discussão com um jogo circular e muitas vezes confundindo questão de mendicância. O inquérito sobre o que determina a escolha de um livre-arbítrio supõe algo diferente da função livre da vontade do agente que toma a decisão, negando, assim, o próprio mistério, que faz a vontade ser livre e não determinada.

A causa de uma escolha é o seletor. A causa de uma determinação é o determinante. Não é uma determinação indeterminada, ou uma escolha não escolhida, como uma tentativa de enquadrá-lo. Se alguém tem um problema com isso simplesmente aplique o mesmo princípio à pergunta: “Por que Deus escolheu criar a humanidade?” Ele é, obviamente, totalmente auto-sustentável e auto-suficiente. Ele não precisa de nós para existir. Portanto, certamente ninguém gostaria de sugerir que Deus não estava livre para abster-se de criar a humanidade. Então, o que determinou a escolha de Deus para criar se não a função misteriosa da Seu livre-arbítrio?

Em suma, se um apela ao mistério a respeito da função da vontade do homem ou a função da vontade divina, todos nós, eventualmente recorremos ao mistério. Por que não apelar para o mistério ANTES que as conclusões que poderiam de forma alguma contestar a santidade de Deus, sugerindo que Ele tenha algo a ver com a determinação da natureza, desejo e até más escolhas de Suas criaturas?

O que também deve ser observado é que a decisão de confiar em Cristo para a nossa salvação não é um trabalho meritório. Pedir perdão não gera mérito para o ser perdoado. Pense nisso desta maneira. Será que o filho pródigo ganha mérito ou de alguma forma merece a recepção de seu pai com base no que ele humildemente voltou para casa? Claro que não. Ele merecia ser punido, não recompensado. A aceitação de seu pai foi uma escolha do pai sozinho e foi TUDO PELA GRAÇA. O pai não tem que perdoar, restaurar e dar uma festa para seu filho com base no que ele escolheu para voltar para casa. Isso foi obra do pai.

Humilhação e quebrantamento não são considerados “melhores” ou “louváveis” e certamente não são inerentemente valiosos. A única coisa que faz com que estas qualidades sejam “desejáveis” é que Deus escolheu para agraciar aqueles que se humilharem algo que ele não é de forma alguma obrigado a fazer. Deus dá graça aos humildes não porque uma resposta humilde merece a salvação, mas porque Ele é misericordioso.

Ponto # 4: Eu aceitei o fato de que um presente não tem de ser irresistivelmente aplicado para que o doador de obter crédito total para dá-lo.
De acordo com o Calvinismo, Deus não se limita a permitir que as pessoas creiam (como dizem as Escrituras), mas ele tem que realmente mudar sua própria natureza, de modo a certamente fazê-los crer. Como um calvinista, lembro-me de envergonhar outros cristãos acusando-os de “roubar a glória de Deus”, sugerindo que desempenharam algum papel em sua salvação. Eu insisti que estariam “ostentando” para acreditar que eles escolheram para vir a Cristo a menos que primeiro admitissem que Deus mudou sua natureza irresistivelmente para fazê-los querer vir. Lembro-me de um sábio ancião de minha igreja me desafiando a este ponto, perguntando: “Por que você acredita que Deus ter escolhido você sem motivo aparente é menos digno do que Ele ter me escolhido para ser um mendigo fraco?” Eu honestamente não fez sei o que ele quis dizer no momento, mas eu faço agora.

No momento do encontro que eu não tinha alcançado o chiqueiro da minha vida. Eu era jovem e arrogante. Eu realmente nunca tinha sido quebrado pelo meu pecado e trouxe cara a cara com minha depravação. Eu pensei que eu entendi perdão e graça, mas sinceramente não foi até muito mais tarde na minha vida que eu seria levado até o fim do meu eu. Eu costumava pensar que a idéia de que Deus escolheu para salvar-me antes de eu nascer e fez nada de bom ou ruim foi humilhante, mas não é perto de tão humilhante como a realidade de que Deus iria escolher para me salvar no meio do meu pior pecado, meu quebrantamento, minha humilhação e minha vergonha. Como o pródigo que voltou para casa do chiqueiro de sua vida, quebrado e humilhado, pedindo esmolas, merecendo nada além de punição, recebe ao invés, o amor misericordioso de um pai. Eu também senti a escolha de um Pai de me perdoar logo ali no meio da minha imundície. Ele não era um conceito teológico de Deus me pegando por nenhuma razão aparente para fora da massa da humanidade em algum momento inexplicável distante antes que o tempo era. Foi meu Papai escolhendo me amar no meio do meu mais profundo pecado e da minha vergonha esmagadora. Ninguém … nem arminiano, nem calvinista ou qualquer um no meio do caminho … Eu quero dizer… NINGUÉM se vangloria de ser perdoado assim. Se eles fizerem isso, ou eles acham que outros o fariam, eu não posso imaginar que eles já estiveram lá.

Mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me entender e me conhecer, que eu sou o Senhor, que faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o Senhor.
– Jr. 9:24

Por que não podemos dar a Deus toda a glória para permitir a humanidade para responder a Sua verdade graciosa? Por que ele irresistivelmente causaria a nossa aceitação do que a verdade, a fim de que ele tenha glória completa, por nos ter causado isso?

De forma alguma rouba-se de Deus a glória, sugerindo que Ele não determina irresistivelmente a escolha dos homens de aceitar ou rejeitar o apelo do Evangelho. Na verdade, isso parece diminuir a Sua glória, fazendo-o parecer um hipócrita nesse apelo enviado a todas as pessoas. Deus não deve receber a glória, mesmo para a provisão daqueles que O rejeitam?

Um homem não pode diminuir a glória de Deus recusando-se a adorá-Lo mais do que um lunático pode apagar o sol escrevendo a palavra escuridão nas paredes de sua cela.
– C. S. Lewis

Ponto # 5: Eu vim a entender que a soberania não é um atributo eterno de Deus que seria comprometido pela existência de criaturas morais livres.
Alguns parecem acreditar que para que Deus seja considerado “soberano”, logo, os homens não podem ter uma vontade livre ou autônoma. Deve a soberania ser interpretada e compreendida como a necessidade de Deus “jogar ambos os lados do tabuleiro de xadrez”, a fim de garantir a sua vitória? Ou deve ser entendida como infinitas e misteriosas formas de Deus de realizar Seus propósitos e garantir a sua vitória em, através e apesar das escolhas livres de criação?

Eu não estou fingindo que podemos realmente compreender os Seus caminhos infinitos ou o meio pelo qual ele realiza todas as coisas em conjunto com a vontade do homem. Não podemos nem mesmo compreender os nossos próprios caminhos, muito menos os Seus. Mas eu estou dizendo que a revelação da santidade de Deus, Sua falta de vontade de sequer tentar os homens ao pecado (Tg. 1:13), Sua natureza perfeita e absoluta separação do pecado (Is. 48:17), certamente parecem sugerir que as nossas finitas e lineares construções lógicas não devem ser usadas ​​para contê-Lo (Is 55: 9).

Um ponto que realmente me ajudou a entender a aparente contradição deste debate foi percebendo o atributo divino de soberania não é um atributo eterno de Deus. Calvinistas sempre argumentar que Deus não pode negar a si mesmo ou a Sua natureza eterna, o que é verdade. Deus não pode deixar de ser Deus. Com base nesta calvinistas concluem que, porque Deus é eternamente soberano e que Ele não pode negar que a soberania, um atributo de Sua própria natureza, permitindo que para os outros a ter qualquer medida de controle ou autoridade.

O que o calvinista não consegue ver é que a soberania não é um atributo eterno de Deus. Soberania significa “governo ou domínio completo sobre a criação.” Para Deus estar no controle sobre a criação, deve haver algo criado para ser controlado. Ele não pode exibir o seu poder sobre as criaturas a menos que essas criaturas existam. Por conseguinte, antes da criação, o conceito de soberania não era um atributo que poderia ser usado para descrever a Deus. Um atributo eterno é algo que Deus possui e não está subordinado outra coisa.

O atributo eterno de Deus é a Sua onipotência, que se refere ao seu poder eternamente ilimitado. Soberania é uma característica temporal, mas eterna, assim, podemos dizer que Deus é todo-poderoso, não porque Ele é soberano, mas Ele é soberano porque Ele é todo-poderoso, ou, pelo menos, Ele é tão soberano quanto Ele então escolhe ser em relação a este mundo temporal.

Se o nosso Deus Todo-Poderoso preferiu abster-se de um governo meticuloso sobre todos os aspectos daquilo que Ele cria, de modo algum isso nega Seu atributo eterno de onipotência, mas na verdade, afirma ele. É o calvinista que nega o atributo eterno da onipotência ao presumir o Deus todo-poderoso não pode abster-se de um governo determinista e meticuloso sobre a Sua criação (ou seja, soberania). Em suma, o calvinista nega atributo eterno de Deus de onipotência em seu esforço para proteger o atributo temporal da soberania. Além disso, um argumento poderia ser feito que os atributos eternos do amor de Deus e Sua santidade são igualmente comprometidas pelos esforços bem intencionados de nossos irmãos calvinistas para proteger a sua teoria da soberania determinista todo o mundo temporal.

Por favor, entenda, a soberania é certamente um atributo de Deus, mas é um atributo temporal. O Deus Onipotente ainda não tomou controle total sobre tudo o soberano na terra como no céu. Não é essa a Sua prerrogativa? Passagens em toda a Bíblia ensina que há “autoridades” e “poderes” que ainda estão para ser destruídos, e que foram dado o domínio sobre a criação de Deus.

E será que naquele dia o Senhor castigará os exércitos do alto nas alturas, e os reis da terra sobre a terra.
– Is. 24:21

Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.
– Ef. 6:12

Sepultados com ele no batismo, nele também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos.
– Cl. 2:12

Então virá o fim, quando ele entregar o Reino a Deus, o Pai, depois de ter destruído todo domínio, toda autoridade e todo poder.
– 1Co. 15:24

Não entenda mal o meu ponto. Eu afirmo que Deus é maior que esses poderes e autoridades. Ele os criou depois de tudo.

Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele.
– Cl. 1:16

E um dia Deus vai tira-los dessa autoridade:

E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo.
– Cl. 2:15

Muito mais poderia ser dito, mas em suma, devemos abster-nos de trazer conclusões anti-bíblicas baseadas em nossas percepções finitas da natureza de Deus. Temos de aceitar a revelação das Escrituras. Ele é Santo (Is. 6:3). Ele não tem prazer no pecado (Sl 5:4.). Há males morais que sequer passam por Sua Santa mente (Jr 7:31). Ele realmente deseja que cada indivíduo venha a Ele e seja salvo (2 Pe. 3: 9.; 1 Timóteo 2: 4). Nenhum homem vai estar diante do Pai e ser capaz de dar a desculpa: “Eu nasci não amado por meu Criador. Eu não fui escolhido e nasci sem a esperança da salvação. Eu nasci incapaz de ver, ouvir ou entender a revelação de Si mesmo de Deus. “Não! Eles vão ficar sem desculpa (Rm. 1:20). Deus ama todas as pessoas (Jo. 3:16), os chama para a salvação (2 Co. 5:20), revela-se a eles (Tt 2:11) e fornece os meios pelos quais os seus pecados sejam perdoados (1 Jo 2:2).

“Deus soberanamente decretou que o homem fosse livre para exercer escolha moral, e o homem desde o começo tem cumprido esse decreto fazendo sua escolha entre o bem e o mal. Quando ele escolhe fazer o mal, ele não está agindo, por meio disso, contra a vontade soberana de Deus, mas a cumprindo, considerando que o decreto eterno decidiu, não qual escolha o homem deveria fazer, mas que ele devesse ser livre para fazê-la. Se em Sua absoluta liberdade Deus desejou dar ao homem uma liberdade limitada, quem poderá impedir Sua mão ou dizer, “Que fazes?” A vontade do homem é livre porque Deus é soberano. Um Deus menos que soberano não poderia conceder liberdade moral às Suas criaturas. Ele teria medo de fazer isso. “- A.W. TOZER, O CONHECIMENTO DO SANTO: Os Atributos de Deus

Aqui estou eu, eu não posso fazer outra coisa, que Deus me ajude. Amém.

CONCLUSÃO

Para concluir, aqui estão algumas citações úteis a respeito de como devemos abordar esta discussão:

“Paulo não queria dizer que ser inchado, ou seja arrogante, deve ser considerado como uma falha atribuível à aprendizagem – que aquilo que é aprendido é muitas vezes auto-complacente, e tem admiração de si, seguido com desprezo dos outros. Nem entendeu ser esta a tendência natural de aprendizagem para produzir arrogância, mas simplesmente para mostrar que o conhecimento tem efeito em um indivíduo, que não tem o temor de Deus, e amor dos irmãos; pelo abuso perverso todos os dons de Deus, de modo a exaltar-se.”
– João Calvino

“Nós entramos em uma discussão sobre a cor do amor. Eu disse que era rosa, e ele disse que era vermelho. Então você vê, eu não tinha outra escolha a não ser esfaqueá-lo.”
– Jarod Kintz

“Um debate é uma troca de conhecimentos; a discussão uma troca de ignorância.”
– Robert Quillen

“A tática mais importante em um argumento ao lado de estar certo é deixar uma saída de emergência para o seu adversário para que ele possa balançar graciosamente para o seu lado, sem uma perda embaraçosa da face.”
– Stephen Jay Gould

“Eu sou muito cauteloso de pessoas que estão absolutamente certas, especialmente quando elas são tão veementes.”
– Michael Palin

[1] http://www.reformed.org/calvinism/

 

 

 

Anúncios

18 comentários em “Os 5 pontos que me levaram para longe do Calvinismo

  1. Texto de peso, prezado Erlan. Obrigado e parabéns. Obrigado por compartilhar artigo tão bem elaborado e reflexivo. E parabéns por fazer isso lível e compreensível ao extremo para iniciantes. Eu sempre tendi ao sinergismo. Por um motivo simples, talvez até simplório. Nunca vi sentido na ordem de pregar o Evangelho a todos, com a possibilidade de recusa, se não houvesse nisso uma liberdade dada pelo próprio Deus para que assim fosse. Claro que entram questões como e os que não podem receber ou nem mesmo tiveram oportunidade. E os que recusaram como Paulo e só foram convencidos pelo próprio Cristo, sendo que tantos outros jamais tiveram essa mesma oportunidade? Enfim, por isso digo que é simples. Porque eu acredito também que muitas vezes temos uma ideia de como Deus agiria ou até, inconscientemente, deveria agir. Mas Deus abre exceções quando quer, Ele criou as regras e pode desobedecê-las. Afinal, se assim não fosse, nem mesmo poderia haver milagres. O que sempre também me incomodou e creio que com esse texto isso se dissipou, é o fato de que o homem faz algo e logo se é induzido no calvinismo a se interpretar esse algo como mérito. O que impossibilitava, pela astúcia, responder que esse algo não é meritório e que antes esse algo leva novamente a dar mérito, Glorias a Deus. Eu fui a Deus porque Deus tornou possível que todos fossem, contra nosso próprio merecimento comum, e contra essa expectativa, deu-me o que não merecia, porque assim quis. Esse texto foi muito precioso para desatar alguns nós e principalmente, compreender, isto é, entender nosso irmão. Forte abraço. Que Deus continue o abençoando. Até outra hora.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Achei muito interessante o artigo; ainda não li argumentos tão sólidos quanto estes. No entanto, ainda vi algumas pontas soltas e acho que faltou falar sobre como fica a expiação no meio disso tudo, levando em conta o argumento que “se Jesus morreu por todos, sua morte perde valor, já que alguns serão condenados porque não crerão.” alguns outros questionamentos deixarei quieto por não ter como estruturar agora, mas em suma, um excelente texto!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Olá, Arthur. Obrigado pelo comentário.
      O texto não é exaustivo, ou seja, não pretende esgotar nem sequer refutar todos os pressupostos calvinistas, por essa razão que sua dúvida ainda permanece e você pôde perceber as “pontas soltas”.
      A expiação de Cristo está prefigurada no ritual expiatório descrito em Levítico 16 e celebrado pelos judeus até os dias de hoje (a saber, o Yom Kipur).
      O sumo sacerdote sacrificava o cordeiro para expiar o pecado de toda a nação de Israel.
      Entretanto, quando somos apresentados à leitura que Paulo faz de Israel, ele declara que nem todo Israel é povo de Deus, mas apenas os que fazem parte da aliança da fé (não apenas a do sangue).
      O perdão de pecados foi efetivo a todo o povo, mas eficaz apenas aos que creram.
      Da mesma forma, Cristo sacrifica-se por todo o mundo, tornando possível que todos sejam salvos. Mas nem todos o são e João 3:16 explica o porquê.
      É pela fé que entra-se pelo novo e vivo caminho, conforme a carta aos Hebreus tanto enfatiza.

      Novamente, obrigado pelo comentário. Um grande abraço.

      Curtir

      1. “Entretanto, quando somos apresentados à leitura que Paulo faz de Israel, ele declara que nem todo Israel é povo de Deus, mas apenas os que fazem parte da aliança da fé (não apenas a do sangue).” Você poderia me dar a referência desta passagem?!

        Curtir

      2. Consta no capítulo 9 de Romanos:

        Não que a palavra de Deus haja faltado, porque nem todos os que são de Israel são israelitas;
        Nem por serem descendência de Abraão são todos filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência.
        Isto é, não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência.
        Romanos 9:6-8

        E como antes disse Isaías:Se o Senhor dos Exércitos nos não deixara descendência,Teríamos nos tornado como Sodoma, e teríamos sido feitos como Gomorra.
        Que diremos pois? Que os gentios, que não buscavam a justiça, alcançaram a justiça? Sim, mas a justiça que é pela fé.
        Mas Israel, que buscava a lei da justiça, não chegou à lei da justiça.
        Por quê? Porque não foi pela fé, mas como que pelas obras da lei; pois tropeçaram na pedra de tropeço;
        Como está escrito:Eis que eu ponho em Sião uma pedra de tropeço, e uma rocha de escândalo;E todo aquele que crer nela não será confundido.
        Romanos 9:29-33

        Curtir

  3. Queria saber em relação as pessoas que conheceram a Cristo se membraram em uma igreja e depois voltam ao pecado cometendo coisas horríveis como adúlterios e uso de drogas e aí depois de um tempo elas caem na real e enchergam a besteira que fizeram e voltam para Cristo outra vez. Essas pessoas são perdoadas efiscasmente por Deus ou elas apenas acham que foram perdoadas?

    Curtir

    1. Olá, Fábio, obrigado pela visita e perdoe-me pela demora respondê-lo.

      Deus perdoa qualquer um que se arrependa. Ao longo a Bíblia, temos inúmeras passagens que confirmam essa verdade.
      Destaco aqui 1Jo 1:9, SL 32:5 e Pv 28:13.

      Quem quer que seja e o que quer que tenha cometido, não importa para Deus, pois Ele não faz escala de pecados dividindo-os entre mais graves e mais brandos.
      Todo pecado leva à morte, se não confessado, abandonado e sem arrependimento manifesto.

      Obrigado pela comentário, espero ter ajudado. Abraço.

      Curtir

  4. Erlan Tostes a paz do Senhor, gostei muito do artigo, muito interessante. Recentemente tenho sido confrontado por amigos Calvinistas e comecei a até a pensar que talvez eles estivessem certos, diante da enxorrada de textos que me apresentaram com relação á depravação total e mostraram textos onde afirmam a soberania de Deus também. Mas ao ler o seu artigo fiquei feliz por ver que aquilo em que acredito não está errado. Parabéns pelo artigo, você foi instrumento de Deus pra mim. Se houver algum livro, ou mais artigos que você possa me indicar sobre o assunto fico grato. Fique na paz do Senhor.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Olá Zeferino, Graça e paz.
      Obrigado pelas suas palavras.
      Quanto à indicação, posso te recomendar:
      Contra o Calvinismo (Roger Olson)
      Por que não sou calvinista (Jerry Walls)
      Que amor é esse (Dave Hunt)

      Un grande abraço e obrigado pela leitura.

      Curtir

  5. Cara, incrível como minha trajetória para longe do calvinismo se assemelhou tanto à sua!

    Primeiro, pelos 3 anos de estudo e defesa enfática da teologia reformada.

    Segundo, por ter chegado nesses mesmos pontos.

    Terceiro por também ter sido impactado pelo parágrado do Tozer a respeito da soberania de Deus.

    Texto excelente! Deus te abençõe o/

    Curtir

  6. Muito bom o texto. Ainda tenho pouco entendimento sobre o assunto, mas vi no início do texto você dizendo sobre “(falei sobre as deficiências do calvinismo fora da estrutura TULIP)”, e queria saber se você poderia explicar um pouco sobre essas deficiências do calvinismo fora da TULIP, porque o pouco que sei sobre o calvinismo é só, basicamente, a TULIP.
    Obrigado

    Curtir

  7. Texto tão perfeito quanto a iluminação do Espírito Santo pôde permitir. É exatamente como eu tenho crido, e graças a Deus por encontrar teólogos que vejam assim e forneçam tão excelente embasamento. Assim podemos continuar pregando o evangelho da graça, que é de graça para todos!

    Curtir

O que achou? Comente aqui embaixo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s